Exposição “Traços e Retratos de Clodovil” em Praia Grande

A Prefeitura de Praia Grande em parceria com o Instituto Clodovil Hernandes abrirá ao público a exposição “Traços e Retratos de Clodovil”, com mais de 50 retratos do artista e aquarelas desenhadas por ele. A mostra gratuita conta com peças que retratam várias fases da vida do estilista, ator, apresentador de televisão e político, que faleceu em 2009 aos 71 anos. A mostra pode ser visitada até 30 de julho no Palácio das Artes de Praia Grande, sempre de terça-feira a sábado, das 14 às 18 hor

Anúncios

Zona Noroeste ganha espaço artístico e cultural

O ministro interino da Cultura, Vitor Ortiz, participou da inauguração do Espaço Mais Cultura ‘Escola Popular de Arte e Cultura Plínio Marcos’, na manhã deste sábado (30), em Santos (SP).

O local será a sede definitiva do Instituto Arte no Dique, instituição reconhecida internacionalmente por seu trabalho de inclusão social. O Ministério da Cultura investiu mais de R$ 1,9 milhão na construção do espaço de 690 m2, que ainda receberá mais R$ 200 mil para a compra de equipamentos e mobiliário. No local também haverá a sala Sergio Mamberti do Cine Mais Cultura.

Vitor Ortiz lembrou que o Ministério da Cultura tem neste momento cerca de 80 projetos como este em quase todos os estados do Brasil e que são iniciativas do Programa Mais Cultura. “Esperamos que venha à tona arte de qualidade, seja nas classes mais altas, seja nas periferias das cidades”, afirmou o ministro interino.

“Com o Arte no Dique erguemos uma ponte para que a arte daqui mostre o que há de melhor no mundo criativo de sua gente e que vocês tenham acesso ao que existe de arte de qualidade neste país”, frisou Vitor Ortiz.

Parabéns à comunidade

O homenageado com uma sala de exibição de filmes, secretário de Políticas Culturais do MinC, Sergio Mamberti, disse que toda comunidade estava de parabéns. “Pouco a pouco a cultura está ocupando o seu lugar na vida dos cidadãos, transformando realidades como a dessa comunidade”, ressaltou.

“A entrada do Ministério da Cultura aqui no Arte no Dique facilitou muito a evolução do projeto. Estamos criando aqui um grande espaço cultural”, disse o coordenador do projeto José Virgilio.

O secretário municipal de cultura de Santos, Carlos Pinto, contou que a arte no dique nasceu de um sonho com as alianças feitas com a iniciativa privada, com o Ministério da Cultura e a prefeitura. “Conseguimos a área e com ela montamos o projeto, que o grande coordenador Jose Virgílio tocou com o MinC e a prefeitura”, lembrou o secretário.

Presenças

Estiveram presentes também no evento, o diretor de infraestrutura cultural, Germano Ladeira, e a gerente de Gestão da Diretoria de Infraestrutura Cultural da Secretaria Executiva, Silvana Tamiazi, ambos do Ministério da Cultura; os presidentes da Câmara Municipal de Santos, Manoel Constantino, e da COHAB Santista, Nelson Parente, além de  vereadores e representantes da iniciativa privada.

Espaço Cultural

A construção da Escola Popular teve início em 2011, em terreno localizado no Caminho São Sebastião – dentro da favela de palafitas Dique da Vila Gilda, uma das áreas de maior vulnerabilidade social do estado de São Paulo. O edifício abrigará ateliês de artes plásticas, além de arena ao ar livre; salas de dança; oficinas culturais, teatrais e de artesanato; estúdios de audiovisual e de percussão.

Fim de semana cheio de shows no Guarujá

Os Festejos Juninos 2012, promovidos pela Prefeitura de Guarujá, ocorrem nas praças da Vila Zilda, às 21h; Praça do Povo (Santa Rosa), às 22h; e na Praça 14 Bis (Vicente de Carvalho), às 23h. A programação gratuita, em todos os locais, começa às 19h.

Esta semana traz Restart (sexta- feira), Roupa Nova (sábado, aniversário de Guarujá, na Praça 14 Bis) e Pixote (domingo). A festa também rola nos bairros Perequê, Santa Cruz dos Navegantes e Santo Antônio (Praça Possidônio), com shows de Samprazer (sexta) e Wesley dos Teclados e Éder Miguel (domingo).

Vizinha consegue impor lei do silêncio na Vila Cultural de SV

Um dos principais espaços culturais de São Vicente pode ver sua participação no cenário artístico ser reduzida. Pelo menos é esta a impressão que perturba um grupo de artistas da Cidade. Eles temem que o Ministério Público (MP) possa restringir as atividades realizadas no Parque Cultural Vila de São Vicente, em funcionamento na Praça João Pessoa (a Praça da Matriz).
O problema começa quando uma vizinha do parque procura a Promotoria reclamando do barulho durante as apresentações de chorinho e MPB, que acontecem às sextas-feiras e sábados, das 20 às 23 horas, de acordo com a Prefeitura. A partir daí, o Ministério Público abriu inquérito civil para apurar o funcionamento da Vila de São Vicente. “Essa situação nos trouxe preocupação e surpresa, já que nós entendemos que o Parque Cultural garante o bom uso do espaço público vicentino.
O encerramento de uma série de atividades resultaria em um enfraquecimento absurdo da Vila de São Vicente”, comenta o secretário de Cultura, Renato Caruso. “O que é o entorno da Vila? Uma região marcada pela insegurança e pela presença de usuários de drogas. Basta comparar com a Biquinha e a Praça Vinte e Dois de Janeiro. O que mantém a Vila de São Vicente viva e ativa é a presença de público. E para onde vai o público sem as atrações?”.
Para tentar evitar que a situação chegue a esse estágio, um grupo de artistas deve se reunir amanhã, às 14 horas, no parque cultural. Será dado um abraço simbólico na Vila de São Vicente, além da apresentação de uma série de atividades artísticas. Também será iniciado abaixo-assinado que deve coletar 20 mil adesões contrárias à intervenção. Esse documento será entregue ao Ministério Público. O grupo de artistas ainda garante que as apresentações de final de semana não costumam passar das 23 horas.
*A Tribuna Online

Meses parados com a obra do Teatro de São Vicente

O primeiro ato do Teatro Municipal de São Vicente ganha cada vez mais contornos dramáticos. Com os trabalhos esbarrando na lentidão há meses, o espaço cultural – prometido para janeiro do ano passado – está longe de ser concluído. Pior: a obra agora pode ser investigada pelo Ministério Público, Casa Civil e Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.
Na última semana o vereador de oposição Luís Cláudio Bili (PP), protocolou junto aos três órgãos o pedido de apuração de eventuais irregularidades na construção do teatro. Embasado em informações obtidas junto à própria Prefeitura – graças a um requerimento feito em sessão no final do ano passado – o parlamentar questiona os R$ 4.496.140,75 investidos na obra até então.
Isso porque, oficialmente, em contrato firmado em 2007 entre a Prefeitura e o Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (Dade), estava prevista a liberação de R$ 4.875.892,90 para a construção do equipamento.
Documento. Em um antigo memorial descritivo das obras, a Prefeitura informava que os trabalhos a serem desenvolvidos com este montante incluiriam: terraplanagem e locação da obra, serviços de infraestrutura (fundação), superestrutura, cobertura e forros, alvenaria e fechamentos, revestimentos, esquadrias, pisos, instalações elétricas, instalações hidráulicas, paisagismo e pavimentação.
O memorial detalha exatamente como devem ser os serviços. No caso dos pisos, por exemplo, o texto cita que o foyer e os halls de entrada deverão ser em placas de granito e os banheiros, em porcelanato. Já o paisagismo inclui árvores ao redor do teatro e portões de correr de malha de ferro chato.
“Ou seja, quase nada disso que está especificado foi feito. Estive pessoalmente no local e o mau uso do dinheiro público salta aos olhos de qualquer um. Hoje, o teatro é um galpão que serve exclusivamente para depósito da obra ao lado. E o dinheiro chegou, o que comprova a má gestão”, comenta o vereador Bili.
Dinheiro. O parlamentar se refere às medições feitas pelo Dade em contas da Companhia de Desenvolvimento de São Vicente (Codesavi), responsável pela obra, mas que terceirizou os serviços. Até aqui, foram sete depósitos efetuados, sendo o primeiro em 20 de junho de 2008 e o último em 29 de dezembro de 2010.
“As informações falam por si só. O dinheiro, da ordem de quase R$ 4,5 milhões, veio. Mas a Prefeitura não cumpriu com os contratos e muito menos com o memorial descritivo. Vou interagir junto aos órgãos competentes. Acredito que estes órgãos vão tomar as devidas providências. Eles precisam mostrar detalhadamente para onde foi esse dinheiro”, argumenta Bili.
Presidente da executiva municipal do PSOL, Erivaldo Donizeti Rodrigues faz coro ao discurso do parlamentar da oposição. “O dinheiro público não pode ser usado dessa forma. Precisa ser investido com cautela e obedecendo o que pede a documentação. Na nossa opinião, é um trabalho que o Ministério Público precisa continuar acompanhando”.
*Jornal A Tribuna

Governo Estadual promete nova Cadeia Velha

A Praça dos Andradas, no Centro histórico de Santos, abriga uma das construções mais valiosas da Cidade: a Casa de Câmara e Cadeia ou, simplesmente, Cadeia Velha. Em condições precárias, o edifício,que é administrado pelo Governo Estadual, será totalmente restaurado.
Vistoria realizada pela Secretaria de Estado da Cultura apontou danos estruturais. Os principais são as infiltrações nos telhados, que causaram problemas nas paredes, deteriorando o piso original e comprometendo equipamentos e mobiliários.
A licitação da restauração foi concluída na terça-feira e vencida pela PJJ Malucelli Arquitetura Ltda. O processo de contratação deve ser finalizado até a última semana de abril e a empresa tem 90 dias para apresentar o projeto. Não há prazo definido para o início e o término das obras, pois o projeto ainda será submetido à aprovação do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), já que o bem é tombado pelos dois órgãos.
A Cadeia Velha abrigava a Oficina Cultural Pagu, que funciona no Centro Comunitário São Judas Tadeu (Rua Napoleão Laureano,89,Marapé). Monica Tranjan Real de Toledo, coordenadora da oficina, diz que a restauração era necessária. “A estrutura apresentava vazamentos e precisava de uma reforma. Fomos comunicados da restauração no meio do ano passado, mas ainda não havia um dia certo”. Ela diz que, atualmente, “há um segurança para cuidar das mesas, cadeiras e estantes que ficaram no edifício. Também enviamos um funcionário para fazer uma limpeza mensal”.
A Cadeia Velha é um patrimônio de inestimável importância tanto para Santos quanto para o País. Para se ter uma ideia de sua relevância, em 1865, o edifício, ainda em fase de construção, já abrigava as tropas da região que lutariam e retornavam da Guerra do Paraguai (1864-1870). Mais tarde, sediou o Fórum, a Prefeitura e o Conselho Municipal de Recursos. E, durante pouco mais de 80 anos, cumpriu a função de guardar os presos.

Segurança. A atual estrutura da Cadeia Velha reflete as condições da Praça dos Andradas, esta de responsabilidade da Prefeitura. O local, que é cercado por grades deterioradas, é alvo de reclamações dos taxistas. “Após o fechamento da Cadeia Velha, aumentou o número de pessoas fumando crack”, diz José Gonçalves Filho, que trabalha há oito anos no ponto de táxi da praça. Seu companheiro de profissão, Helvio Rubens, relata que é comum ver assaltos. “Além disso, os portões (da praça) ficam abertos e os moradores de rua dormem nos bancos”.
Em nota, a Secretaria Municipal de Serviços Públicos (Seserp) afirma que executa a limpeza da praça. Na sequência, serão feitas a recuperação do gradil, dos bancos, revisão em toda a instalação elétrica e no piso de mosaico. Já a Secretaria Municipal de Segurança (Seseg) informa que a Guarda Municipal atua na área dando apoio à Polícia Militar, na base compartilhada localizada na praça. A Seseg afirma que os portões ficam abertos durante a madrugada para um período de testes.
*Jornal A Tribuna

2ª edição do festival Cubatão Danado de Bom homenageará Chico Anysio

Com o sucesso da primeira edição do Cubatão Danado de Bom, que reuniu 50 mil pessoas em shows realizados no Kartódromo da cidade, a Prefeitura de Cubatão decidiu expandir a Festa, consolidando o evento como o maior festival nordestino em uma cidade fora do Nordeste. A previsão é de que em 2011, pelo menos 75 mil pessoas confiram as atrações. Shows com grandes nomes da Música Brasileira e homenagens como a do humorista cearense Chico Anysio, são algumas das novidades anunciadas no lançamento do evento nesta terça-feira (21), no gabinete da prefeitra Marcia Rosa, com a presença do secretário estadual de Turismo, Márcio França.

Em 2011, o ponto alto da festa será, novamente, os shows de estrelas da música nordestina. Unindo tradição, modernidade e grandes nomes da MPB, o calendário de atrações começa dia 11/11 (sexta-feira) e encerra em 15/11 (terça-feira), feriado de Proclamação da República.Daniela Mercury, Zé Ramalho, o grupo Cavaleiros do Forró já estão confirmados. Vários músicos e cantores cubatenses e da região também devem participar, reunindo mais de 120 artistas.

Além das cinco noites com shows principais – uma a mais em relação a 2010, haverá uma série de atividades, como os cursos sobre a tradição nordestina, de literatura de cordel e de culinária típica. Durante os dias do Festival, em novembro, grande parte do material produzido pelos participantes das oficinas será exposta para compor o visual da festa.

Chico Anysio. As homenagens a nordestinos que fazem parte da história do país e de Cubatão são outra novidade da edição 2011. A personalidade nacional reconhecida pelo Festival será o humorista cearense Chico Anysio, de 80 anos. Esta é a primeira vez que um evento é dedicado ao artista. “Será a maior homenagem já feita para mim em toda a minha vida”, afirmou Chico Anysio. Já o filho do humorista, Bruno Mazzeo, diz que nada mais justo do que esse reconhecimento: “É digno quando um dos seus heróis é homenageado de maneira tão bonita e valiosa”.

Aproveitando a homenagem a uma personalidade fortemente ligada ao universo da TV, teatro e cinema, a concepção cenográfica da segunda edição do Danado de Bom é uma atração à parte. Desenvolvida por alguns dos principais especialistas em cenários de TV do Brasil, dará aos visitantes a oportunidade única de se sentirem no coração de uma cidade nordestina em plena Baixada Santista, acompanhados por, nada menos que os inesquecíveis personagens de Chico Anysio (como Bozó, Coalhada, Professor Raimundo, Bento Carneiro, etc). Atores caracterizados como os personagens povoarão o espaço e vão interagir com o público.

Centros da Juventude de Santos oferecem oficinas gratuitas

Oficinas artísticas e culturais e inclusão social são os benefícios oferecidos gratuitamente pelos centros da juventude mantidos pela prefeitura, por intermédio da Seas (Secretaria de Assistência Social). Jovens entre 14 e 24 anos encontram nessas unidades a possibilidade de aprender e desenvolver talento para atividades como balé, jazz, artes plásticas, violão, ginástica, inglês, desenho, teatro, teclado e projeto de comunicação. Há ainda grupos de estudos para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Rafael Carvalho, de 17 anos, é aluno de violão do professor Francisco Pupo, no Centro da Juventude da Zona Leste (Rua Joaquim Nabuco, 21, Vila Mathias, telefone 3237-1797). Apreciador e estudioso das sequências harmônicas do instrumento de cordas, o estudante revela que está aprendendo com muita facilidade graças a seu interesse e à capacidade do professor.

O mesmo entusiasmo é mostrado pelas alunas de dança do ventre da professora Ana Luíza Kikuda, que também dá aulas no Centro da Juventude Prefeito Sílvio Fernandes Lopes, na Zona Noroeste, Avenida Brigadeiro Faria Lima s/nº, Rádio Clube, tel. 3291-1845.

Os alunos das oficinas participam de apresentações em datas festivas ou em eventos próprios ao longo do ano. Há ainda a possibilidade de inclusão de jovens em programas como o Pró-jovem e o PVJ (Programa de Valorização do Jovem), que transfere renda mensal de R$130,00.


III Concurso de Dramaturgia – Prêmio Ronaldo Frutuoso- Inscrições Abertas

As inscrições pra o III Concurso de Dramaturgia – Prêmio Ronaldo Frutuoso começaram nesta quarta-feira (20/04) e vão até dia 20 de junho. A proposta para a próxima Encenação se fundamenta na profecia dos Maias, sobre a grande alteração que o mundo sofrerá em 2012, que pode tanto levar ao início de uma nova era quanto ao fim do mundo.

No ano em que os Maias previram o fim do mundo, a Encenação completa 30 anos. Por conta disto, a Prefeitura de São Vicente, propõe, por meio da Secretaria de Cultura (Secult), que sejam utilizados personagens centrais das trinta encenações, ou das principais, para compor a narrativa desta edição.

Esta lenda dos Maias foi baseada em seu calendário e é composta por sete profecias. Nessas profecias, eles falam sobre sua visão do presente e do futuro e se fundamentam em conclusões de seus estudos científicos, religiosos e sobre o universo.

Quem se interessou pelo assunto, pode se inscrever da seguinte forma: o concorrente deve ser nascido, naturalizado ou residente no Brasil. Com idade superior ou igual a 18 anos. O conteúdo da peça deve ser direcionado ao público adulto e permitir a montagem com duração entre 60 e 90 minutos. Não é permitida a participação de pessoas que sejam membros da Comissão Organizadora, que sejam servidores públicos e agentes da Prefeitura de São Vicente. Também entram nessa relação os parentes em linha reta dessas pessoas.

Para efetuar a inscrição, é necessário levar pessoalmente ou enviar por correio o material de inscrição a Secult (Rua João Ramalho, 988 – Centro), onde está afixado todo o regulamento do concurso.

O material para inscrição é composto por cinco vias do roteiro, que deve ser digitado em folhas de tamanho A4, numeradas, com fonte do texto sendo Arial, tamanho 12 com entrelinhamento de 1,5 pontos. As cinco vias devem estar encadernadas e acompanhadas de um Cd com a versão digital do projeto. Nenhuma das vias deve conter indícios da autoria do texto, para tanto, o autor deve escolher um psedônimo. Além disso, deve haver um envelope lacrado com a identificação do autor, um breve currículo, endereço completo e outras formas de contato, cópia da carteira de identidade e do CPF; fora deste envelope deve haver apenas o nome do concurso, o título do trabalho e o pseudônimo do autor.

Todo esse material de inscrição deve ser acondicionado em uma só embalagem. No caso do envio via correio, a remessa deve ser feita por Sedex e a inscrição será assegurada pela data do carimbo postal.

Quanto a escolha, será composta uma Comissão Selecionadora que irá escolher cinco trabalhos que mais se encaixem na proposta e nas regras do concurso. Essa seleção será feita em no máximo 10 dias após o término das inscrições.

Os cinco textos selecionados serão encaminhados para a Comissão Julgadora, que dará um parecer em no máximo 15 dias após a divulgação dos textos selecionados. Esta Comissão levará em conta o caráter artístico do texto. Ambas as Comissões possuem decisão soberana, não cabendo justificativas, contestação, ou recurso judicial sobre o que for decidido.

Lendas Maias. A primeira profecia fala sobre o medo. Segundo o texto, em 22 de dezembro de 2012, a humanidade terá de escolher entre a extinção ou uma nova vida em harmonia com o universo. Nesta data, o sol, que segundo o povo Maia é um ser vivo que respira e que há certo tempo se sincroniza com o universo, receberá uma manifestação de luz do centro da galáxia que o fará brilhar mais intensamente produzindo em sua superfície o que os cientistas chamam de erupções solares. Essas erupções produzirão uma gigantesca labareda, e nesta data, a humanidade deve estar preparada para passar pelo portal deixado pelos Maias para evoluir para um modo de vida mais harmônico.

No segundo texto, a profecia é sobre o que ocorreria após o eclipse solar de 11 de agosto de 1999. Segundo eles, a sombra projetada pela lua durante o eclipse revelaria uma área onde haveria muitos conflitos e guerras. A sombra atravessou toda a Europa e o Oriente Médio. A segunda profecia, afirma ainda que desta data até 2012, cada pessoa seria seu próprio juiz, estaria previsto o início da mudança dos tempos, os valores morais estariam mais frouxos e todas as opções estariam disponíveis, praticamente sem censura, para que cada um se manifestasse livremente como é.

Na terceira previsão, uma grande onda de calor, causada, em parte, pela falta de sincronia do homem com a natureza, provocaria diversas mudanças climática, geológicas e sociais rapidamente, e tudo com muita violência, produzindo diminuição na quantidade de chuvas, provocando ventos mais fortes e aumentando a incidência de furacões e tufões.

A quarta profecia fala sobre o aquecimento do planeta. Essa elevação gradual da temperatura, segundo o texto da previsão, provocaria o derretimento de geleiras causando um aumento do nível dos mares. De acordo com os Maias, essa seria a maneira do planeta “se limpar”, abrindo espaço para o surgimento de novas áreas verdes para repor as que foram devastadas pelo homem.

No quinto presságio, a informação é de que todos os sistemas baseados no medo ou na dependência desapareceriam. Segundo os estudiosos, esse mito pode ser relacionado às recorrentes crises da economia e das fontes de energia e formas de comunicação atuais.

A sexta profecia é sobre os cometas. A lenda diz que nos próximos anos surgirá um cometa que colocará em risco toda a vida na Terra. O perigo eminente nos obrigaria a construir um nível de cooperação mundial, dando origem a um só governo que trabalhe para o bem comum na Terra.

A última previsão, diz que após todas as transformações, os seres humanos que voluntariamente encontrarem seu estado de paz interior receberão um novo sentido, a capacidade de ler o pensamento. Dessa forma, terminará a mentira e começará uma época de transparência e de luz.

Essas profecias devem servir de inspiração para o texto, porém, alguns outros itens são obrigatórios, como adequação ao tema da Fundação da Vila de São Vicente; viabilidade técnica e financeira da peça; cronograma de realização e execução; originalidade – já que o texto deve ser inédito -; descrição objetiva das cenas, sequências, diálogos e indicações técnicas. Deve conter também as seguintes cenas: a primeira eleição das Américas, em qualquer ponto do roteiro; cenas que mostrem São Vicente como sendo a primeira povoação oficial do Brasil e Porto dos escravos e índios; e a fundação da Vila de São Vicente, como última cena.

Quem quiser outras informações pode ligar para os telefones (13) 3467-5781 ou 3468-8636. O regulamento do concurso e a baliza da Encenação estarão disponíveis na tarde de segunda-feira (25/04) no site da Prefeitura: http://www.saovicente.sp.gov.br.