Funarte abre nove editais de ocupação para circo, dança e teatro

A Funarte publicou nesta terça-feira (18/12) nove editais de ocupação de seus espaços direcionados a circo, dança e teatro. Projetos dessas áreas, de todo território nacional, podem concorrer aos processos seletivos.

As salas ficam em Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). As inscrições estão abertas até o dia 1º de fevereiro de 2013.

As iniciativas contempladas vão apresentar espetáculos, oficinas, debates e outras atividades ligadas às artes cênicas, de abril de 2013 a 1º de dezembro de 2013 – exceto o Teatro Funarte Duse, cujo período será de maio de 2013 a 15 de dezembro de 2013.

O valor total destinado aos editais é de R$ 5.084.000, sendo R$ 5 milhões para os projetos e R$ 84 mil para despesas administrativas.

Clique aqui para acessar cada um dos editais.

Anúncios

SANSEX- Programação | Sessão de curtas-metragens no Roxy 4

O Cine Roxy 4 – Pátio Iporanga (Av. Ana Costa, 465/Santos) também levantará a bandeira pela diversidade sexual na quarta-feira (28/nov), às 20h30, com uma sessão gratuita de curtas-metragens que abordam o universo LGBT. No dia, serão exibidos: ‘Um Diálogo de Ballet’, ‘Existe sempre espaço para o Amor’, ‘Desconhecido Íntimo’ e ‘Lamúria’.

Um Diálogo de Ballet. De Porto Alegre/RS. Com roteiro e direção de Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, o filme aborda a relação de um senhor e de um jovem, interpretados por Giovani Rizzo e Lauro Ramalho. Sucesso de bilheteria, a obra já circulou os festivais nacionais de Gramado e Close, além de ser exibido em Cannes.

Existe sempre espaço para o Amor. Do Rio de Janeiro/RJ. Duas amigas se descobrem envolvidas com o mesmo homem e, após uma briga, decidem dar o troco, reestruturando o triângulo amoroso. A obra tem direção e roteiro de Bernado Barreto, que protagoniza o filme ao lado de Monique Alfradique e Camila dos Anjos.

Desconhecido Íntimo. De São Paulo/SP. O filme conta a história do artista plástico André, que namora a atriz teatral Nina. Vivendo em uma relação rotineira, ele começa a se questionar sexualmente quando conhece Thiago. Até que ponto nos conhecemos de verdade? Essa é a pergunta da obra dirigida e roteirizada por Alexandre Ingrevallo.

Lamúria. De Campina Grande/PB. Bruno recebe a tarefa de compor um poema romântico em uma aula de literatura, tenod que participar de uma jornada de autoconhecimento para expressar tudo aquilo que justamente sente pelo seu professor. O filme tem a direção e roteiro assinados por Nathan Cirino e é estrelado por Jonatha Medeiros, Pablo Carvalho e Fabiano Raposo.

Realejo recebe evento de relançamento de Deficiências e Propensões do Ser Humano

Obra chega à 13ª edição; encontro organizado pela Fundação Logosófica terá presença de estudantes

A happy hour desta sexta-feira, 10 de agosto, será um pouco diferente na Realejo. Além da tradicional apresentação do Choro de Bolso, na calçada em frente a livraria, acontecerá o relançamento do livro Deficiências e Propensões do Ser Humano, de Carlos Bernardo González Pecotche. O encontró é organizado pela Fundação Logosófica, terá a presença dos estudantes de Logosofia Edna F. de Meireles e Rafael Alves da Silva e comemora os 50 anos da 1ª edição do livro.

Sobre Carlos Bernardo González Pecotche

O autor consagrou sua vida à obra fecunda que realizou em prol da Superação humana. Criou uma ciência, a Logosofia, e instituiu um método único em seu gênero.
No ano de 1930, fundou a primeira “Escola de Logosofia”.
Hoje, a Instituição fundada no ano de 1930, funciona com o nome de Fundação Logosófica – Em Prol da Superação Humana e  estendeu-se já por diversos continentes, com presença oficializada em vários países, inclusive no Brasil, onde possuí sedes em vários estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina e em Brasília.

 

Serviço:
Relançamento de Deficiências e Propensões do Ser Humano

Quando: Sexta, 10 de agosto, 18h30
Onde: Realejo Livros – rua Marechal Deodoro, 2, Gonzaga

Santos recebe Festival Varilux de Cinema Francês, no Roxy 4, de 17 a 23/08

Cine Roxy 4 – Pátio Iporanga sedia Festival Varilux de cinema francês de 17 a 23/08, em Santos

O Festival Varilux de Cinema Francês é um evento que reúne o melhor da cinematografia francesa atual. A abertura oficial do festival será dia 15 de agosto, no Rio de Janeiro. No dia seguinte, serão organizadas simultaneamente sessões de avant-première com coquetel de abertura nas outras 32 cidades.

Em Santos, a programação acontecerá no Cine Roxy 4, do Pátio Iporanga, com o apoio da Aliança Francesa e da Ótica Libra. O lançamento do Festival, no município, será em 16 de agosto, quinta-feira, somente para convidados, às 19h (coquetel) e, sessão de abertura, às 20h, com o filme “Intocáveis”, sucesso de bilheteria na França com mais de 20 milhões de espectadores.

“O Roxy sente-se privilegiado em sediar um festival importante como este, com filmes que se destacaram em uma escola cinematográfica atuante, a exemplo da francesa. As expectativas são as melhores perante o público da região, que poderá ter acesso a longas que dificilmente entram no circuito comercial”, diz o empresário Toninho Campos.

O Cine Roxy 4 fica na Avenida Ana Costa, 443, Gonzaga. Detalhes sobre a programação e os preços, em breve.

O Festival Varilux de Cinema Francês é produzido pela Bonfilm e conta com o apoio da Embaixada da França no Brasil e da Delegação Geral das Alianças Francesas e é patrocinado pelo grupo Essilor-Varilux e Allianz Seguros. Site oficial do festival: www.variluxcinefrances.com.

Bolsa Funarte para Formação em Artes Circenses 2012

INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 18 DE AGOSTO DE 2012
Foi publicado no Diário oficial da União, no Dia 4 de julho, o edital da Bolsa Funarte para Formação em Artes Circenses 2012. O programa oferece 30 bolsas, de R$ 20 mil cada, a estudantes de todo o país – um total de R$ 600 mil em prêmios. As vagas são para o Curso Básico de Artes Circenses da Escola Nacional de Circo, no Rio de Janeiro. Neste edital, a Funarte vai distribuir seis bolsas para cada uma das cinco regiões do País.
Podem participar da seleção brasileiros de 18 a 25 anos, a serem completados até o dia 8 de outubro de 2012, data em que começa o curso, que tem duração de dez meses. Para concorrer, os candidatos devem gravar, em DVD, uma demonstração de exercícios de habilidades, tais como rolamento, pirueta, equilíbrio em trave, malabares e corda, entre outros. Os projetos inscritos serão analisados por uma comissão, formada por professores e técnicos da Escola Nacional de Circo. Os concorrentes devem ainda apresentar à comissão, posteriormente, uma performance individual curta, que pode ser a leitura de um texto dramático, uma coreografia, ou um número circense.
As fichas devem ser enviadas pelo correio (Sedex), à Escola Nacional de Circo, juntamente com a documentação exigida e o DVD. Todos os procedimentos necessários estão previstos no edital. Acesse-o na coluna ao lado, onde também está disponível a ficha de inscrição.
Mais informações

Escola Nacional de Circo
Centro de Artes Cênicas
Fundação Nacional de Artes – Funarte
Telefones:  (21) 2273-2144 e  (21) 2273-8567

Cia. Dança de Rua do Brasil apresenta ‘Homens de Preto’ no Teatro Guarany

A Cia. Dança de Rua do Brasil e grupos convidados promoverão uma noite especial no Teatro Guarany, para comemorar os 14 anos da consagrada montagem ‘Homens de Preto’, dirigida e assinada por Marcelo Cirino. Na ocasião, haverá um tributo ao bailarino Marcelo Otávio, ex-integrante do grupo, falecido no último dia 24 de junho.

Esta será a primeira vez que ‘Homens de Preto’ ocupará o palco do Guarany. A coreografia, que faturou a nota máxima no Festival de Dança de Joinville, em 1998, integrou a produção do filme ‘Xuxa Requebra’, em 2000 e também foi exibida na abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, em 2007.

O espetáculo contará com a presença de convidados especiais da região e grupos dos projetos: ‘Adrenalina’, ‘Street Action’, ‘Star Night’, ‘Raízes’, ‘Nação de Rua’ e ‘Natural Feeling’. A montagem ‘Homens de Preto’ também será o destaque da Noite de Gala do Festival de Joinville, no próximo dia 23, como uma das montagens que marcaram história nos 30 anos do tradicional festival.

Os ingressos custam R$ 20,00 e poderão ser adquiridos no dia do evento, na bilheteria do Guarany, a partir das 15h.

Teatro Guarany (Praça dos Andradas, 100 – Centro Histórico – Santos/SP)

20:00

Exposição revela como o comércio do café transformou a cidade de Santos

Ao caminhar pelas ruas de uma cidade, somos muitas vezes convidados a pensar como seria viver ali em sua época áurea, o que teria sobrevivido daqueles tempos, o que teria sido determinante para sua vida cotidiana atual. Santos não foge à regra. A cidade, e mais especificamente seu Centro Histórico, ainda guarda muitas características adquiridas na época em que era a capital mundial dos negócios do café. São as origens dessas marcas que o Museu do Café – instituição da Secretaria de Estado da Cultura – investiga na exposição “Comércio de café e vida urbana na cidade de Santos”, com abertura nesta quinta-feira (28), às 19 horas.
Dividida em quatro módulos, a exposição passeia por mais de mais de cem anos de história – entre os séculos XIX e XX – explorando recortes históricos que ajudam a contextualizar os fatos que levaram Santos ao protagonismo da época áurea do café no Brasil e como essa posição de destaque foi fundamental para seu desenvolvimento social, cultural e urbano. A exposição fica em cartaz até o dia 30 de setembro.
De acordo com Marília Bonas, diretora técnica do Museu do Café, a mostra apresenta ao público um panorama da cidade, tendo o comércio do café como fio condutor. “Grande parte da história de Santos foi traçada pelo café. Seguir sua trajetória significa enxergar não só a mudança estrutural da cidade, mas também as profundas transformações que o café precipitou nas relações sociais e culturais do santista”, explica.
A primeira abordagem da mostra é geográfica, evidenciando como as águas tranquilas e profundas do estuário – favoráveis à atracação de embarcações –, a serra do mar – ligação direta entre litoral e planalto – e a expansão da atividade cafeeira do Vale do Paraíba para o Oeste Paulista – fazendo com que Santos ficasse muito mais próxima das regiões produtoras do que o Rio de Janeiro –, contribuíram fundamentalmente para que a cidade se tornasse a preferida para o escoamento da produção nacional.
O café trouxe consigo toda uma estrutura que foi incorporada ao cotidiano da cidade. Nesse contexto, proliferaram organizações – como casas comissárias, transportadoras, armazéns, exportadoras, além de instituições como a Associação Comercial de Santos e a Bolsa Oficial de Café – e funções, como comissários, corretores, costureiras de sacas, ensacadores, estivadores, e, por consequência, uma forte organização sindicalista.
O grande movimento dos negócios do café também foi fundamental para a mudança radical na paisagem urbana da cidade. Santos não possuía a infraestrutura necessária às novas demandas, era vítima de frequentes epidemias, seu porto era constituído de poucas e frágeis pontes de madeira, além da evidente carência de ruas e avenidas para a mobilidade urbana. O projeto de saneamento de Saturnino de Brito foi uma das principais conquistas do período. A canalização dos rios e ribeirões que cortavam a região, além do benefício sanitário, marcou esteticamente a cidade.
Por fim a exposição revela como o dinheiro proporcionado pelo café, o progresso urbano e o crescimento populacional impulsionaram o desenvolvimento cultural da cidade. Novos espaços de sociabilidade foram criados, surgiram clubes e agremiações, peças de teatro, concertos e recitais começaram a fazer parte do cotidiano santista. A essa altura, Santos já não lembrava em nada a cidade pequena e insalubre de tempos atrás.
Projeto de Pesquisa
A exposição “Comércio de café e vida urbana na cidade de Santos” é o primeiro produto de um grande projeto de pesquisa do Museu do Café batizado de “Praça de Santos”. O trabalho se baseia no mapeamento de referências patrimoniais do café na cidade, buscando toda a documentação textual, plantas, mapas, fotografias, filmes, objetos, maquinários, mobiliários e edificações relacionadas ao tema. A frente de pesquisa integra a “São Paulo História em Rede”, iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura, que articula projetos de pesquisa das universidades e dos museus voltados à preservação do patrimônio paulista.
Segundo Marília Bonas, como primeiro produto do projeto de pesquisa, a mostra é um ensaio museológico contextual da importância patrimonial dos acervos santistas na história do café. “A cidade de Santos, que já detém o maior porto do café do mundo, torna-se – com as ações de pesquisa, preservação e comunicação do Museu do Café – um novo porto, fundamental, das ações patrimoniais da história de São Paulo e do Brasil”, revela.
O Museu do Café fica à rua XV de Novembro, 95, no Centro Histórico de Santos. Seu horário de funcionamento é de terça-feira a sábado das 9 às 17 horas, e aos domingos entre 10 e 17 horas. Os ingressos para visitação custam R$ 5, estudantes e pessoas com mais de 60 anos pagam meia-entrada. Já a Cafeteria do Museu funciona de segunda-feira a sábado das 8h às 18h, e aos domingos entre 10h e 18h. Outras informações estão disponíveis em http://www.museudocafe.org.br.

Santos ganha Clube do Blues

Ele não vai ter diretoria. Ele não vai ter carteirinha. Mas vai ter música da pesada. E os associados serão todas as pessoas que curtem o bom e velho blues.
Inspirado no Clube do Blues do Rio de Janeiro, a Mannish Boy Produções e o Studio Rock criaram o Clube do Blues de Santos.
A proposta é a mesma da edição da cidade maravilhosa, juntar músicos de blues brasileiros para tocar clássicos do gênero e consolidar um lugar como ponto de encontro entre as pessoas que curtem esse gênero musical.
O Clube do Blues do Rio de Janeiro foi criado pela cozinha etílica, Cláudio Bedran (baixo) e Pedro Strasser (bateria). Conta ainda com Maurício Sahady (guitarra) no time fixo e recebe convidados para jam-sessions.
O mesmo vai acontecer no Clube do Blues de Santos, o time principal será João Augusto (guitarra e voz), Filippe Dias (guitarra e voz), Jeferson Rodrigues (bateria) e Álvaro Alves (baixo). Mas a intenção é convidar os músicos de blues de São Paulo, Rio de Janeiro e os de outros estados que passarem pela cidade e até internacionais.
As diferenças são poucas. Lá na cidade maravilhosa as apresentações acontecem às segundas-feiras, a partir das 20h. Em Santos, as reuniões acontecem às terças-feiras, no mesmo horário, a cada 15 dias.
As jams acontecem cedo para que as pessoas possam voltar cedo pra casa.
O clube de Santos foi criado após uma visita minha ao Clube do Blues Original no Rio de Janeiro. O Maurício Sahady esteve em Santos e me convidou para ir ao Bar do B, onde os músicos de blues cariocas se reúnem. Então fui ao Rio ouvir os caras e vi que o clima do lugar era, como dizem os cariocas, maneiro, em plena segunda-feira chuvosa o lugar estava cheio. Deu vontade de fazer em Santos na hora, como alternativa aos gêneros musicais que imperam na cidade.
O valor do couvert é simbólico, R$ 12 reais, e os músicos vão fazer duas entradas de 40 minutos.

A Mannish Boy Produções já trouxe a Santos alguns dos maiores nomes do blues e do jazz nacionais e internacionais, como Magic Slim, Peter Madcat, Eric Gales, Lynwood Slim, James Wheeler, Shirley King, John Pizzarelli, Freedie Cole, Bad Plus, Stanley Jordan, Kenny Brown, Big Joe Manfra, Blue Jeans, Igor Prado Blues Band, Róbson Fernandes, Maurício Sahady, Ivan Márcio, Giba Byblos, Caviars Blues Band, Big Chico e Big Gilson.


Produção:

Mannish Boy Produções Artísticas www.mannishblog.blogspot.com e Studio Rock Café www.studiorockcafe.com.br

Apoios:
Agência Urbana e Executiva Contabilidade.
Serviço:
Jam Session:
Clube do Blues de Santos
Data:
26 de junho
Horário:
20h30
Local:
Studio Rock Café
Endereço:
Av. Marechal Deodoro, 110 – Gonzaga – Santos
Preços:
R$ 12,00 (couvert).
Próximas jam sessions:
10 de julho; 24 de julho; 07 de agosto; 21 de agosto; 04 de setembro; 18 de setembro; 02 de outubro; 16 de outubro; 30 de outubro; 13 de novembro; 27 de novembro e 11 dezembro.

Seminário da Fams começa nesta quinta-feira

Tem início nesta quinta-feira (14), o 7º Seminário Regional de Memória, Arquivo, Biblioteca e Museu do Litoral Paulista e do Vale do Ribeira, que a Fams (Fundação Arquivo e Memória de Santos) realiza no auditório do Senac (Avenida Conselheiro Nébias, 309-313,Vila Mathias). Neste ano o tema será “Da gestão de documentos à preservação da memória: reflexões para implantação de políticas públicas arquivísticas”.

A abertura, às 9h30, contará com palestra de Paulo Knauss, diretor geral do Arquivo Público do Rio de Janeiro, que falará sobre ‘História, memória e patrimônio’. No mesmo dia haverá outras palestras sobre gestão de documentos.

Na sexta (15), data do encerramento, a partir das 9h30, serão abordados temas como arquivos municipais, documentos cartográficos, sistema de gestão inteligente e conservação de acervos. Mais informações em http://www.fundasantos.org.br.